Compartilhe esse conteúdo

Todos, em algum momento da vida, já ouviram falar em consórcio. Afinal, sempre tem um parente ou conhecido que já fez, por exemplo, um consórcio de moto – o tipo mais comum de bem adquirido a longo prazo. Mas, existe uma distância muito grande entre ouvir falar de um consórcio e realmente entender como ele funciona.

Se você tem interesse em entrar em um, é preciso, necessariamente, que tenha consciência de como os consórcios funcionam e se organizam. Sabe por quê? Porque, só assim, você conseguirá avaliar bem quais são as vantagens e as desvantagens de investir o seu dinheiro (tempo e paciência!) neste sistema. Por isso, é importante saber: você deseja ter o bem ou serviço em mãos imediatamente? Se a resposta for não, então, o consórcio pode ser uma alternativa para você!

Quem pode entrar

Pessoas físicas e jurídicas (empresas).

Quem organiza

O consórcio é promovido, organizado e gerido por administradoras. Elas precisam cumprir as exigências estipuladas pelo Banco Central do Brasil.

Como funciona

O valor da carta de crédito, que corresponde ao valor total do bem ou serviço descrito no contrato, é dividido em prestações. Cada pessoa do consórcio é responsável por pagar as suas prestações dentro do tempo previsto no contrato. O dinheiro que cada pessoa paga em cada prestação vai para um fundo comum. Quando uma cota é contemplada, uma carta de crédito é disponibilizada para que a pessoa possa adquirir o bem ou o serviço. Assim, a quantia que cobrirá o valor da carta de crédito é descontada do fundo comum.

O que pode ser adquirido

Bem móvel, imóvel ou serviço de qualquer natureza.

O valor das cartas de crédito

“As administradoras de consórcio possuem vários grupos de Cartas de Crédito, que podem variar de R$30 mil a R$ 700 mil”, explica o economista, professor universitário e palestrante Luciano Simões.

O valor das prestações

Segundo Luciano, o valor da parcela depende do valor da carta de crédito adquirida. Assim, quanto maior o valor do bem ou serviço que se pretende obter, maior será o crédito e, consequentemente, maior será o valor das parcelas.

Variação no valor das prestações

O valor pago nas prestações do consórcio pode variar no decorrer do tempo, explica Moisés Bagagi, diretor financeiro da M2BS e sócio da Opportunity Consulting. Ele esclarece que “as parcelas que são pagas durante o consórcio estão atreladas ao objeto (bens ou serviços) que se deseja adquirir e, com isso, mudam de acordo com a variação do valor do objeto no mercado”. Ou seja, se o valor do bem ou serviço aumentar, as parcelas sobem na mesma proporção.

Taxas de administração

As administradoras são prestadoras de serviços, por isso, para promover, organizar e gerir os consórcios, elas são remuneradas. A remuneração vem de taxas que são aplicadas nas parcelas do consórcio. Assim, o valor da parcela é formado pelo valor da carta de crédito adquirida, pelas taxas de administração e por seguros que estejam previstos no contrato de adesão.

Esclareça sua dúvida!

Com um consórcio é possível adquirir bem móvel, imóvel ou serviço. Mas, afinal, o que está englobado na definição serviço? Segundo o advogado Fabricio Posocco, a definição inclui cirurgias plásticas (e outros procedimento estéticos), festas (casamento ou formatura), cursos (de especialização ou de idiomas) e até mesmo viagens. Entretanto, Fabricio explica que “o mercado costuma limitar o consórcio de serviços dividindo as parcelas em até 30 meses”.

Esta matéria foi publicada na revista Saiba Tudo Especial Consórcio.

Imagem freepik.com

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *